Agora que se aproxima a época mais negra do ano, atreva-se a enfrentar as teias urdidas pelos nossos thrillers e policiais!

Histórias fantasmagóricas, suspenses para ler de um só fôlego, heróis perseguidos pelo passado, vilões impiedosos, conspirações internacionais... Seja qual for o seu gosto, de certeza que encontrará no nosso catálogo uma obra que o irá deixar sem vontade de sair de casa na noite de Halloweeen.

Prometemos que, como nos diz Catarina Janeiro, «será difícil perceber quem é o inimigo e em que direção encontrará a luz»...

 

31-10-2019
Numa Alemanha que abriu as portas a um milhão de refugiados em apenas um ano, as reações racistas não se fazem esperar e um assassino em série começa a matar muçulmanos. É neste cenário que Francisco Carvalho desvenda Os crimes de Hamburgo, o seu policial de estreia, disponível a partir de hoje com o selo da Coolbooks.

Num ambiente invernal, húmido e cinzento, Os crimes de Hamburgo transporta o leitor para uma metrópole portuária onde a investigação desses assassinatos promove uma corrida contra o tempo em que se cruzam as vidas de vários personagens direta ou indiretamente relacionados com os crimes: uma investigadora veterana a quem as respostas para os casos surgem de forma inesperada e intuitiva, um jovem detetive, um experiente jornalista de investigação português, uma colaboradora de um projeto de media xenófobo e populista, um jovem refugiado sírio ou um bósnio traumatizado pelo assassinato da sua família.

Com uma temática atual e fazendo uso do conhecimento que acumulou ao longo dos dois anos em que viveu parcialmente em Hamburgo, o autor faz o retrato de uma sociedade em crise, incapaz de responder à crise dos refugiados e tomada por uma crescente xenofobia, num policial rico e capaz de manter o suspense até ao final.

24-10-2019
Celebramos o Dia Mundial do Livro e 5º aniversário da Coolbooks com uma oferta muito especial para os nossos leitores. 


Durante 24 horas, entre as 00:00 e as 23:00 do Dia Mundial do Livro, 23 de Abril, vamos oferecer 24 livros a 24 leitores.
Para se habilitarem a ser um dos vencedores, basta responderem acertadamente às questões que, durante estas 24 horas, vão surgir nas Stories do Instagram da Coolbooks.


As respostas às 24 perguntas podem ser encontradas nas sinopses ou biografias dos autores dos respetivos livros, na página Quem Somos ou na Cooluna de Autor. 
Para vos ajudar, deixamos os links de que vão precisar para responder a cada questão: 


01 - Quem somos
02 - O diário do meu suicidio
03 - O que se cala é como se não existisse
04 - Quem somos
05 - Demência
06 - O invisível, a sua sombra e o seu reflexo
07 - O Hospital de Todos os Santos
08 - As casas também morrem
09 - O lugar onde as ondas nascem
10 - O herdeiro
11 - Quem somos
12 - Margarida e o Lobo
13 - Quem somos
14 - O binóculo mágico
15 - A rapariga que veio do frio
16 - O tempo nos teus olhos
17 - Os pés pelas mãos
18 - Quem somos
19 - Sentença ou Oportunidade?
20 - Regras para descolagem
21 - O Homem Manso
22 - Cooluna de Autor
23 - O quarto da mãe
24 - No fim, o herói foge com a rapariga
22-04-2019

 

Demência é o título do primeiro romance de Célia Correia Loureiro. Publicada há dez anos, esta obra terá uma edição revisitada, que chegará às livrarias durante o mês de abril. 

Durante este processo surgiram vários desafios, entre os quais um cuja resolução está a ser particularmente complicada: escolher uma nova capa. E contamos com o vosso contributo para o ultrapassar. 

Para isso, deixamo-vos a sinopse e as capas completas e convidamo-vos a escolherem a vossa favorita nos comentários desta publicação no Facebook.

 

1 2 3

Demência

Numa pequena aldeia beirã, duas mulheres de gerações diferentes leem o seu destino nas mãos de um mesmo homem: Letícia foi vítima de um marido ciumento e manipulador, e Olímpia é a mãe extremosa desse agressor.

Mas quando Letícia regressa para assistir Olímpia, aos primeiros sinais de demência, os traumas que traz na bagagem ameaçam estilhaçar o silêncio conivente dos aldeões. Ainda que ostracizada, Letícia esforçar-se por esquecer os tumultos do seu casamento, enquanto Olímpia pede ajuda ao amigo de infância, Sebastião, para reconstruir as próprias memórias e entender o que se passou com o seu único filho.

Demência traz-nos, através das vivências destas duas mulheres, a dura realidade de um Portugal rural e ainda tendencioso, e faz-nos repensar o significado de família e de comunidade, de inocência e de culpa. 

 

 

14-03-2019

 

Comemorado desde 1909, o dia 8 de março foi oficialmente proclamada pela ONU como Dia Internacional da Mulher em 1975 e só quatro anos mais tarde foi aprovada a Convenção para a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres.

Assinalado um pouco por todo o mundo, este dia é uma oportunidade para assinalar e recordar as conquistas e o papel das mulheres na sociedade, assim como abordar questões como a violência sobre a mulher ou as desigualdades de género.

Por cá, celebramos o Dia Internacional da Mulher da forma que melhor sabemos, recomendando histórias de mulheres de coragem vertidas nas páginas de um livro.

Descubram-nas, inspirem-se e celebrem-nas. Hoje e todos os dias:

 

 

   

Sentença ou Oportunidade?

Este livro acompanha a história de Léa Pinheiro e a sentença clínica que a deixou com uma sequela limitadora e irreversível – a colostomia.

A história de Léa não é um lamento; é, sim, uma lição de vida fabulosa. E é ao ler o seu testemunho que percebemos que não só soube reconhecer no seu desafio pessoal uma decisiva oportunidade de resgatar a felicidade, como se tornou num acolhedor farol de milhares de ostomizados em Portugal.
Siga-a nesta viagem e descubra como se reconstroem sonhos e se semeia a coragem. 


 

   

Cartas com amor

Uma terna história de amor que nos demonstra que a felicidade brota nos locais mais insuspeitos. Começa quando duas pessoas descobrem que gostam uma da outra e tudo acontece de uma forma tão intensa e arrebatadora que não há outra solução senão enfrentar todos os fantasmas e angústias de duas famílias tradicionais que se recusam a perder o sentido das aparências.

Cartas com amor fala-nos da capacidade que o ser humano tem para se rebelar, virar a mesa, atravessar oceanos, enfrentar o desconhecido e correr atrás da felicidade. Acima de tudo, fala-nos sobre aquela capacidade de amar no limiar do sobrenatural.


 

   

E ficou a terra

Alentejo. 1975. A luta pela terra alimentava ódios antigos, privilégios seculares, deixando um rasto de conflitos e de feridas abertas.

Verónica é a filha de um latifundiário que se apaixona por um desconhecido que conhece num bar. Mantém uma relação secreta com ele até que um flagrante do seu próprio pai os "obriga" a casar. A partir daí, e através das vozes destes dois protagonistas, vamos descobrindo que intentos os movem, quais os seus verdadeiros objetivos e qual o valor da verdadeira liberdade.

Passado no pós-25 de Abril, o romance dá-nos a conhecer as dinâmicas de uma pequena vila no Alentejo, os poderes perdidos, aqueles que começam a ascender, assim como a luta perante aquilo que surgia como o bem maior: a posse da terra.

 

   

Eu, do nada 

Esta é a história de um local que resistiu às eras sendo Nada, uma quinta onde, na peculiaridade do nome, sempre se negociou vida e transcendência com a naturalidade do desassombro. É a história de Luísa, feita varão do Nada, nascida Matilde em 1911. É a história de um país interseccionando-se no quotidiano rural de uma Casa grande de vinho e pão, sobrevivendo às Invasões Francesas, a ciclones, ditaduras, fantasmas e outros bichos, sobrevivendo à dor e à perda da sucessão de tempo atrás de tempo.

Sobreviverá o Nada a Luísa? Ou tornar-se-á Luísa uma réplica de Máxima, a Senhora que vive na distância altaneira do segundo andar da Casa do Nada?

Baseado em factos reais.

 

   

O que se cala é como se não existisse

Alice escolheu adiar o tempo e viver das memórias que a tesoura com desvelo, misturadas com essas outras lembranças, que ela não quer que existam e que, ainda assim, teimam em se fazer presentes, sem que Alice tenha força para lhes resistir.

As memórias que a transportam do seu Alentejo natal, rude, pobre e explorado, até um bar de prostituição, em Lisboa, para, finalmente, lhe darem a paz, num apartamento antigo, onde ela se (re)constrói em fantasias, nas quais o presente, o passado e o futuro se misturam, deixando de ter sentido, ou razão de ser.

Esta é uma história de violência e de medo, de sonhos e de perdas, mas também, de redenção. Uma história com muitas histórias dentro, que homenageia as tantas Alices que aguentam, sempre. Que calam, sempre. Porque assim lhes ensinaram. Porque assim teria de ser. Porque, afinal, o que se cala é como se não existisse!

 

   

Voltar a Ti 

«O amor não é sentimento para repousos longos e confiantes, mas, como acontece com todas as coisas intensas deste mundo, é uma das fontes maiores da felicidade humana.»

Constança divide os seus dias entre dois mundos. Na cidade grande do Norte, dedica-se ao trabalho e a Guilherme, o companheiro com quem reparte os planos para o futuro. Na sua pequena aldeia do interior, encontra a doçura das memórias de infância e o carinho dos pais, enquanto apoia e conforta o irmão mais velho, Luís, recentemente regressado a casa, onde procura recuperar de um profundo desgosto.

Um inesperado desafio profissional força-a a alterar as rotinas. Se a distância geográfica a obriga a reconstruir a sua presença habitual entre os dois lugares, sentimentos novos e inesperados abrem-lhe um caminho até agora desconhecido pelo seu coração.

Entre a tragédia e a perda, o amor e a saudade, o novo mundo de Constança surge de forma intensa, surpreendendo-a a cada passo e a cada incerteza. Com ele, a sua reconstrução interior e também a espera, sempre paciente, pela felicidade…


 

   

A última viagem 

Baseado em acontecimentos reais, vividos pela autora durante as viagens que fez ao Bangladesh, A última viagemconta a história da luta de Maria Eduarda pela construção de um hospital pediátrico em Daca.

Após a trágica perda do marido, a vontade de continuar com o projeto que iniciaram juntos esmorece. A vida, contudo, não lhe permite esquecer, e Maria Eduarda regressa ao Bangladesh para honrar o compromisso que, afinal, nunca tinha abandonado.

O aparecimento de Carlos, diretor de um laboratório farmacêutico, faz com que a concretização do sonho se torne possível, mas em condições bastante peculiares. Maria Eduarda será obrigada a testar a integridade dos seus valores enquanto assiste a uma mudança improvável na sua vida, da qual parece ter perdido todo o controlo.

Este é um romance construído à volta das relações interpessoais e de tudo aquilo que o ser humano é capaz de abdicar, por amor a quem nasceu com quase nada. Se as crianças de Daca são o fio condutor de toda a narrativa, heróis improváveis que lutam diariamente por uma sobrevivência dura e muitas vezes inglória, o amor é a energia invisível que transforma sonhos em algo verdadeiramente lendário.

  

08-03-2019