Querido leitor




Querido Leitor,

Neste preciso momento já deves ter comprado os teus presentes de Natal, decorado a tua árvore e feito uma lista daquilo que desejas para este Natal. Provavelmente até já acabaste a escola e saíste para celebrar com os teus amigos com um bom filme de Natal. Ou talvez ainda estejas a trabalhar e a chorar pela tua carteira magrinha nesta altura do ano. Porque é nisso que pensamos no Natal, não é?

Quando pensamos no Natal, pensamos nas luzes que decoram as noites precoces sem nos apercebermos que esta tradição provém do Solstício de Inverno, um festival de luzes que levantava a moral e iluminava as noites frias. Quando pensamos no Natal, pensamos nos presentes sem reconhecer que a sua origem vem dos tempos remotos em que os imperadores romanos forçavam os cidadãos que mais desprezavam a doarem-lhes ofertas.
Mas mais importante, quando pensamos no Natal, pensamos na família, sem prestar atenção àqueles que permanecem nos hospitais, nas estações de polícia, no quartel dos bombeiros ou nos soldados que trabalharão no Natal longe da família. Sem pensar naqueles que perderam um ente querido, naqueles que não têm família, naqueles que passarão a quadra nas ruas ou em zonas de guerra.

Quando pensamos no Natal, pensamos no Pai Natal sem saber que São Nicolau era um bispo, amável e generoso, que dava oferendas a quem mais precisava.

Mas mesmo que não penses nisso, algo ainda permanece. Dezembro é um prenúncio do inverno, uma época de frio e escuridão, e desde o início dos tempos que as pessoas têm procurado uma forma de o tornar mais alegre, seja na mente distorcida dos cidadãos de Roma Antiga e nas suas celebrações de crimes durante a Saturnália, ou a sua adaptação pela igreja Católica na celebração do nascimento de Jesus, ou o Chanucá, celebrado pelos judeus pela recuperação do seu templo sagrado.

Por isso, quando pensares no Natal, pensa não nas suas origens ou crenças diferentes que tu e os teus amigos possam ter, mas num tempo para amar, agradecer aquilo que temos, lamentar o que perdemos e ajudar os que precisam.

Feliz Natal,
Patricia Morais Patricia Morais é a autora deSombras

22.12.2015